Farmácia Maxifarma

Como prevenir o câncer de pele?

Utilizar protetor solar todos os dias, evitar a exposição nos horários de pico e observar alterações na pele são algumas das medidas preventivas.

03 de outubro de 2018 - Maxifarma

Os tumores malignos na pele correspondem a 33% de todas as neoplasias diagnosticadas no país, com cerca de 180 mil novos casos registrados todos os anos. Diante desse cenário, é muito importante saber como prevenir o câncer de pele.

Existe um componente genético que pode aumentar o risco dessa doença, e este não pode ser prevenido. Porém, a principal causa ainda é a exposição solar desprotegida, um fator de risco que pode ser evitado com algumas medidas. Saiba quais são:

1. Evitar a exposição solar nos horários de pico

Quando falamos em “horários de pico do sol”, estamos nos referindo ao período entre as 10 e as 16 horas, quando a radiação solar do tipo UVB é mais intensa. Esses raios têm comprimento de onda mais curto e são os principais responsáveis pela vermelhidão e as queimaduras.

Como os danos causados pelo sol são cumulativos ao longo da vida, o que aumenta o risco de câncer de pele, é essencial evitar ao máximo a exposição durante esse intervalo.

2. Utilizar protetor solar todos os dias

A radiação UVA penetra mais profundamente na pele e causa alterações no material genético da célula, o que pode levar ao câncer. Diferente dos raios UVB, a radiação UVA é constante durante o ano todo e não varia conforme os horários de pico do sol.

Além disso, a radiação UVA consegue atravessar nuvens e janelas. Dessa forma, mesmo que o tempo esteja nublado ou você permaneça em locais fechados, é necessário aplicar o protetor solar todos os dias, inclusive no inverno.

3. Reaplicar o protetor solar de acordo com a necessidade

No dia a dia, recomenda-se aplicar o protetor solar 15 minutos antes de sair de casa para trabalhar e reaplicar na hora do almoço e no meio da tarde.

Porém, se você estiver em um ambiente ao ar livre, como na praia ou na piscina, é necessário reaplicar o protetor a cada 2 horas e depois de mergulhar, transpirar ou se secar com a toalha, mesmo no caso de produtos à prova d’água.

4. Escolher um protetor solar adequado para a sua pele

Embora o câncer de pele possa atingir qualquer pessoa, quem tem a pele e os olhos claros, cabelos loiros ou ruivos, é albino ou tem vitiligo tem um risco mais elevado para essa doença e, portanto, deve utilizar um protetor solar com FPS (fator de proteção solar) 50 a 60.

Para as pessoas de pele negra ou mais escura e que não se queimam com facilidade, o mínimo recomendado ainda é o protetor solar com FPS 15 a 30.

É importante também escolher um produto que seja adequado ao seu tipo de pele. Existem protetores específicos para peles sensíveis, secas, normais, mistas e oleosas, de forma a oferecer mais conforto e benefícios.

5. Redobrar o cuidado com áreas “esquecidas”

Algumas áreas do corpo são frequentemente esquecidas quando aplicamos o protetor solar, como as orelhas e os pés, o que pode levar a queimaduras e, com o tempo, aumentar o risco do câncer de pele. Portanto, é preciso criar o hábito de aplicar o produto também nessas regiões.

Para evitar que alguma área fique desprotegida quando vamos à praia ou piscina, o ideal é aplicar o protetor solar antes de vestir a roupa de banho, de forma a cobrir toda a pele. Deve-se aguardar que o produto esteja completamente seco antes de colocar as roupas.

Além disso, é importante utilizar um protetor solar específico para os lábios e os cabelos, evitando lesões na pele sensível que recobre a boca, ressecamento dos fios e queimaduras no couro cabeludo.

6. Utilizar acessórios para se proteger do sol

Para quem vai à praia ou à piscina, é necessário complementar a proteção oferecida pelo filtro solar com o uso de chapéus, bonés, camisetas, batas e óculos escuros de boa qualidade, de modo a oferecer barreiras físicas contra a radiação ultravioleta.

De forma semelhante, quem trabalha exposto ao sol deve utilizar camisa de manga comprida, calças e chapéus que protejam a nuca, associando esses itens com o protetor.

7. Evitar as câmaras de bronzeamento artificial

O bronzeamento artificial em câmaras com finalidades estéticas é proibido no Brasil pela Anvisa desde 2009, ano em que a Organização Mundial da Saúde classificou esses aparelhos como cancerígenos em potencial, com risco equivalente ao do sol e do cigarro.

Embora o procedimento pareça inofensivo, as lâmpadas utilizadas nas câmaras emitem radiação ultravioleta com efeito cumulativo – tanto que o hábito de fazer bronzeamento artificial antes dos 35 anos aumenta o risco de câncer de pele em 75%.

8. Observar a pele em busca de feridas, pintas e manchas

O câncer de pele se divide no tipo não melanoma, que é mais frequente e menos grave, mas pode causar deformações no corpo, e o tipo melanoma, que é mais raro, mas também é mais perigoso e pode levar à morte.

Esses dois tipos podem ser tratados e curados se forem detectados no início, por isso é muito importante observar a pele em busca de sinais de anormalidade, incluindo:

  • Câncer de pele não melanoma: feridas que não cicatrizam em até quatro semanas e manchas que coçam, descamam, ardem ou sangram. As áreas mais afetadas são aquelas mais expostas ao sol, como rosto e orelhas;
  • Câncer de pele melanoma: pintas ou manchas assimétricas, com bordas irregulares, com mais de uma cor, maiores que 6 mm ou que apresentem mudanças rápidas em sua aparência, seja tamanho, cor, espessura ou formato. Esse tumor pode afetar qualquer parte do corpo, inclusive as mucosas.

9. Visitar o dermatologista uma vez por ano

Mesmo tomando todos os cuidados para evitar os danos causados pelo sol, é necessário visitar o dermatologista anualmente para avaliar pintas e manchas. Somente um profissional devidamente treinado é capaz de reconhecer lesões em estágios mais iniciais, aumentando suas chances de cura.

Por isso, agora que você sabe como prevenir o câncer de pele, não deixe de incluir a visita ao dermatologista na sua rotina de cuidados. A prevenção e o diagnóstico precoce são nossas melhores armas contra essa doença.

Fonte(s): SBDINCAOnco Guia e HC Barretos